Fé, café e um cafuné e a gente não precisa de mais nada para ser feliz.

Entretanto, as mídias de um sistema sob um capitalismo selvagem nos apresentam um mundo de frustrações, por tudo aquilo de lindo que mostram, em uma mera ilusão de perfeição, mas que não possuímos e nem precisamos possuir.

Infelizmente, vendem-nos valores supérfluos que acabam se tornando os objetivos principais de um destino vazio quando, na vida, ter esperança é muito mais importante do que ter qualquer outra coisa.

Certamente, vive em paz quem acredita no invisível, na magia dos acontecimentos orquestrados pelo Universo. Quem guarda consigo a sensação de que tudo vai dar certo, porque felicidade é imaterial.

Então, você está no meio do oceano, sem chão firme à vista. Aquela imensidão lhe causa um frio na barriga. Uma vontade enorme de voltar para a terra já conhecida e se acomodar no mesmo lugar, deixando de descobrir e sentir o que a vida pode lhe proporcionar.

Logo, um sentimento de otimismo se instaura em seu coração. Sem explicação, sem origem, apenas uma conexão com a fé.

Você abraça o sentimento de confiança e tudo fica melhor, tudo se acalma.

Desta forma, as tempestades, em vez de castigos, tornam-se aprendizagens. A solidão, em vez de dor, vira solitude, uma aproximação ainda maior com o divino, com os mistérios do Universo e consigo mesmo diante disso tudo.

As ondas gigantes não o derrubam, mas ensinam a você como enfrentar os desafios da vida. A noite não o assusta mais, apenas guarda os seus sonhos para o dia seguinte.

Os medos não mais o acovardam. Eles se transformam nos propulsores do seu movimento em relação aos seus objetivos.

Arrastam você, mesmo contra vontade, até uma saída dos problemas, mesmo que ela seja apenas o pensamento de fé.

É isso que o otimismo faz na sua vida. Ele muda a perspectiva. É um aliado à sua batalha diária por uma vida justa.

Porque a confiança em um futuro melhor também alivia a ansiedade, a crença na evolução do ser humano evita a depressão.

Basta acreditar que por trás das nuvens cinzentas e carregadas do temporal, existe um sol escondido, que os dias trarão de volta.

Exatamente como na sua vida. Apesar dos tormentos, existe um mar de dádivas logo ali.

Há uma terra além do horizonte repleta de alegrias, de um amor que você nunca teve e de uma calma que você jamais sentiu.

Então, o céu se abre, o sol aparece e você senta na proa do barco observando a imensidão do infinito. Nenhuma terra a vista, mas muita tranquilidade no coração.

De repente você sente aquele cheirinho de café delicioso. Está pronto. Alguém lhe entrega a caneca e, imediatamente, faz um cafuné na sua cabeça.

Diante dos seus olhos o vazio, mas no seu peito muita fé, na sua mão um bom café e na cabeça aquele cafuné. E a vida é perfeita, mesmo no meio do caminho.

Portanto, confie no tempo, acredite em Deus e que uma legião de anjos o acompanha o tempo todo protegendo e influenciando os seus passos na melhor direção. Mas, principalmente, tenha fé em si mesmo.

E mais do que isso, tenha fé no impossível, porque o Universo é capaz de fazer os milagres mais incríveis, daqueles que a gente chega a ser incapaz até de imaginar.

Abra os olhos, agora, e veja além da tempestividade, afinal você merece um mundo de felicidades.

Enquanto isso, vai um café e um cafuné. E a gente segue na fé.

COMENTÁRIOS




Luciano Cazz
Luciano Cazz é formado em Comunicação, também ator e roteirista pela NYFA (New York Film Academy). Além de estudante de Psicanálise. Autor do livro A Tempestade Depois do Arco-íris.