Porque tanto desprezo se todo mundo só quer amor?

Certamente é uma grande contradição viver em um mundo tão carente de amor, mas onde o que mais se vê são atitudes grosseiras e arrogantes.

Sem dúvida, as pessoas desejam muito afeto, entretanto estão o tempo todo no orgulho. Fingem não precisar de afeto. Como se fosse uma fraqueza necessitar de relações de carinho. E, principalmente, cuidar do coração do outro.

Então sobram joguinhos inúteis. Além disso, deixar no vácuo vira uma autoafirmação oca. Entretanto evitar elogios e gestos de afeto é uma maneira de construir uma falsa autoestima.

Desta forma, demonstra-se uma importância que não tem legitimidade nenhuma. Porque nosso valor real está naquilo que somos capazes de dar. E não naquilo que recebemos ou aparentamos.

Em outras palavras, colocar-se em um pedestal e se sentir o tal é só um sintoma de uma imensa falta de validação e amor-próprio.

Porque pessoas bem resolvidas sentem prazer em fazer o bem para o outro. Sejam em atitudes ou palavras.

Por outro lado, os sentimentos negativos como o rancor e a maldade pertencem a quem possui uma autoestima quebrada. Justamente, porque não se sente amada.

Desta forma, essa incongruência de pessoas que necessitam tanto de amor, mas saem por aí colhendo ódios é perfeitamente cabível a todos aqueles que não entendem a si mesmos.

De fato, as lacunas da infância, os traumas afetivos e a falha do amor por parte de quem deveria amar você acima de tudo gera uma crença, equivocada, de que não merece ser amado.

Essa ideia inconsciente de menos-valia traz consequências diferentes em cada um. Alguns sucumbem a inferioridade e viram submissos. Porém, outros se revoltam e saem quebrando tudo. Inclusive relacionamentos ou seus próprios sucessos.

Então junta-se uma coleção de pessoas carentes de afeto que não sabem lidar com isso, porque, na verdade, nem compreendem porque carregam tanto rancor dentro de si.

De coleção em coleção se forma uma sociedade que despreza, mas não ama, pois é violenta e egoísta.

Além do mais, visa apenas culpar e cobrar o mundo que a cerca pelo vazio que carrega dentro de si.

Assim as pessoas resolvem jogar seu lixo em todos que cruzam o seu caminho. Seja no trânsito, no trabalho ou dentro da própria casa.

Como se quisessem fazê-los pagar por sua alma quebrada. Mesmo que não tenham culpa nenhuma.

O autoconhecimento é muito importante para reverter essa situação. Assim, as pessoas podem tomar consciência de que alguns heróis precisa iniciar essa mudança pelo exemplo.

Ou seja, foi-se o tempo de querer afeto, mas se negar a dar. Chega de querer ser o centro das atenções sem dar atenção a ninguém. É o momento de desistir de ser amado pelo que possui e passar a conquistar as pessoas pelo que se é.

Simplesmente é hora de despertar o pensamento contrário ao desprezo orgulhoso.  Uma nova ideologia de reciprocidade onde a ideia a ser aceita seja:

Eu preciso de amor e só serei amado, amando.

Texto criado com exclusividade para o site inspirandoluz.com.br. Reprodução em novo link apenas com autorização prévia. Grato pela compreensão.




Luciano Cazz é formado em Comunicação, também ator e roteirista pela NYFA (New York Film Academy). Além de estudante de Psicanálise. Autor do livro A Tempestade Depois do Arco-íris.