Em uma live em meio ao isolamento, o Mallandro abriu o coração e não foi pegadinha:

“Eu sinto falta da plateia. Hoje eu estou aqui fazendo uma coisa que pensei que eu nunca faria na minha vida. Eu já fiz show em tudo quanto é lugar que você pode imaginar.

Na favela, para as crianças, em cima do telhado, em circo vazio na época em que eu quebrei, para poder comprar… E eu já era o Sérgio Malandro. Foi em 1996.

Meu programa saiu do ar, eu quebrei e fiquei 3 anos fora do ar. Fiquei vendendo tudo que tinha comprado, meus apartamentos.

Chegou uma hora em que eu tinha apenas 7 reais no bolso.

Eu já tinha perdido tudo, minhas motos, meus carros, tudo. Foi quando chegou um oficial de justiça na minha casa para levar meu último carro.

Então, ela me reconheceu e me disse que seu filho de 9 anos era meu fã e tinha câncer.

Eu fui lá dentro da minha casa, que estava caindo aos pedaços, nada mais funcionava. Peguei um bonequinho que eu tinha que fazia Glu Glu e disse para ele levar para seu filho por ser meu fã.

O oficial olhou para mim com os olhos cheios de lágrimas e disse que não conseguiria levar meu carro. Mas pedi para ele fazer seu trabalho.

Quando o vi indo embora com meu carro comecei a chorar muito. Não chorava pelo meu carro, mas porque eu tinha dois filhos dentro da minha casa, saudáveis.

Foi ali que percebi que eu não tinha mais problema nenhum na minha vida. Nenhum.

O carro estava indo embora, mas eu podia daqui um tempo voltar com meu trabalho e comprar outro, eu só não podia perder a minha essência.

Eu poderia, daqui um pouco, ter o que eu quisesse novamente. Tinha meus filhos saudáveis, então, eu não tinha problema mais, nenhum.

E isso pode servir para você!

As pessoas confundem muito problema com obstáculo.

Problema é quando você vai no hospital e alguém lhe diz:

– Está vendo aquela pessoa ali que você ama? Você vai perder ela.

Isso é problema. Agora, minha geladeira está vazia, tenho que pagar um boleto. Roubaram meu carro, meu celular quebrou. Minha namorada me largou. Isso são obstáculos.

E você veio a esse mundo para vencer todos obstáculos.

Toda vez que você achar que seu problema pode ser resolvido pelo homem ou pelo dinheiro. Não são problemas. São obstáculos.

A sua vida vai ficar muito melhor, com uma luz muito mais forte a partir deste momento que estamos passando.

Que isolamento é esse?

Isolamento é para quem está no hospital lutando pela vida, como vários estão.

Você pode estar na sua casa e isso é uma benção: você poder estar com sua família, seja sua casa pequena ou grande. É a sua casa.

Todo mundo reclamando porque tem que ficar em casa. Esquece, cara. Isso é um obstáculo. Você vai vencer, porque todo nós viemos a esse mundo para vencer os obstáculos. Uns demoram mais, outros menos.

Você veio a esse mundo para ser feliz. Bota isso na sua cabeça. Ninguém vai impedir você de ser feliz. Você só não pode perder a sua essência.

Naquele momento que eu perdi tudo e meu carro foi embora, a única coisa que me restou foi a minha essência. A minha vontade.

Porque tudo que está aqui dentro de mim é a única coisa que ninguém pode me tirar.

Seu relógio alguém pode lhe tirar, porque uma matéria separa de outra matéria. O seu anel, a sua joia, a sua carteira.

Agora o que está dentro de você. A sua vontade de viver, os seus sonhos, a sua vontade de amar. O seu amor pelas pessoas, pela vida. O seu amor a Deus, a sua fé. Ninguém no mundo pode tirar. Bota isso na sua cabeça.

E foi com isso que eu caminhei.

Então, pedi a um cara para fazer um projeto e prometi pagar ele quando entrasse na TV de novo. Ele acreditou em mim.

Eu andava com o projeto debaixo do braço. Procurei várias televisões. As portas se fechavam aqui e ali, mas eu não desistia nunca.

Nunca botei essa palavra desistir na minha cabeça.

Nunca. Porque eu tinha a minha essência. Eu tinha o que estava dentro de mim.

Através do meu projeto eu conheci os donos da Rede TV. Mostrei o projeto e, então, eles me contrataram. Ali começou a mudar a minha vida.

Aí eu fiquei em primeiro lugar na audiência. Assinei um contrato com a Gazeta. Meu primeiro salário, entrei numa loja na Avenida Brasil e comprei o carro que eu queria. E falei:

Puxa vida, obrigado, meu Senhor.

O que eu quero falar para você é que nada é eterno, nem o amor nem a dor. Hoje você sente uma dor profunda, mas vai passar. Vai passar!

Nem sei porque eu entrei nesse assunto aqui. Eu não vim falar sério, vim fazer graça. A gente fala o que a gente pensa e sente.

Tenho certeza que você nunca mais vai esquecer: problemas e obstáculos.

A sua cabeça é como uma chave de hotel que pode abrir todos os quartos. Você acorda e tem a chave mestra para abrir todos os quartos.

Entretanto, têm pessoas que só abrem a porta da tristeza, da depressão, da agonia e do ódio.

Para com isso!

Abre a porta da esperança, do otimismo, da positividade. Da alegria. Você pode fazer isso, afinal, você tem a chave.

A partir de hoje, você vai sempre lembrar disso:

Enquanto o dinheiro pode resolver seu problema, não é problema, é obstáculo e você pode superar isso.

Texto original inspirandoluz.com.br. Compartilhe o link à vontade. Utilização dos nossos artigos em sites/portais ou em vídeos e áudios é permitida, desde que com os devidos créditos ao texto e ao nosso site, de forma clara e visível.  Grato pela compreensão. 

COMENTÁRIOS




Luciano Cazz
Luciano Cazz é formado em Comunicação, também ator e roteirista pela NYFA (New York Film Academy). Além de estudante de Psicanálise. Autor do livro A Tempestade Depois do Arco-íris.