Como assim, “ame-se”? 

Às vezes, você tem a sensação de que tudo dá errado na sua vida. Parece uma nuvem negra sobrevoando a sua cabeça o tempo todo.

Problemas familiares e no trabalho. Os relacionamentos não acontecem e, se vingam, são tóxicos, repletos de conflitos e sofrimento. E você jura para si mesmo que o Universo está lhe mandando somente as piores pessoas.

Além disso, você não consegue fazer aquele curso, nem entrar na academia. Procrastina tudo, desde a faxina até a simples tarefa de enviar uma mensagem importante, que pode trazer coisas boas para a sua vida.

Encontrar com os amigos, então, fica quase impossível.

Você diz que é falta de tempo, mas será mesmo?

O tempo passa e, quando vê, você está em meio a um redemoinho de confusões e problemas. Você se sente perdido. Assim, a ansiedade bate. Se não vira desespero, vira depressão.

Consequentemente, você se sente inadequado, azarado, um zero à esquerda.

Sem vontade para nada. Mesmo assim, não consegue entender o que anda fazendo de errado ou, simplesmente, porque a vida é tão injusta com você.

Talvez seja uma questão de amor-próprio. E eu vou explicar por que.

Quando a nossa autoestima está para baixo, o nosso inconsciente procura sempre situações de conflito, onde a gente possa confirmar essa ideia equivocada de que nossa vida não presta.

Pode ter certeza, você mesmo procura o pior e quando não acha, cria.

Funciona desta forma: por algum motivo a vida o fez pensar que não pode ser amado. Com essa ideia enraizada nas profundezas do seu ser, você passa a procurar pessoas que não lhe dão atenção ou amor suficiente. Quiça, que lhe tratam mal e com desrespeito.

Você corre atrás, briga, xinga, mas não se afasta. Não consegue. E muitas vezes acaba até se mantendo nesses relacionamentos tóxicos, abusivos, os quais acabam com o seu emocional.

Você pode estar se dizendo agora: Não, eu não faço isso.

Mas faz sim. É algo fora do seu controle, mais além, fora da sua consciência. Você faz sem saber. E toda vez que algo de bom está para acontecer na sua vida, você dá um jeito de se boicotar.

Toda vez que você vive algo bom e especial, procura, sem se dar conta, uma insatisfação para se apegar e transformar o paraíso em um grande inferno bem na sua cara. Tanto que não aceita nem elogio.

Mas, ei, presta atenção. Você é incrível. Uma pessoa repleta de coisas boas e capacidade.

Olha quantas batalhas você já venceu nessa vida, quantas tombos do destino já levou e, mesmo assim, está aí, em pé, correndo atrás nessa sua luta dura dia a dia.

Entenda uma coisa: VOCÊ MERECE MUITAS COISAS BOAS DA VIDA.

Então, ame-se. Olhe-se com mais carinho. Aprenda a gostar de tudo que você tem de bom. Seja mais consciente de suas qualidades e vença seus defeitos. Ame-se. Porque quando a gente se ama, a gente aceita as deliciosas surpresas que o destino nos traz.

É através do amor-próprio que você vai se permitir construir uma história linda de vida, porque se amando você é capaz de se afastar de tudo que lhe faz mal e lutar por tudo que te deixa alegre.

Quando a gente se ama, prefere procurar mais por motivos para sorrir do que se envolver com sofrimentos. Temos um olhar mais otimista sobre a vida, muito mais generoso para com a gente mesmo e ficamos em paz com quem somos.

Portanto, guarde isso para sempre:

Você merece ser amado. Você merece conquistar seus sonhos. A vida quer ver você muito feliz. Simplesmente, aceite.

COMENTÁRIOS




Luciano Cazz
Luciano Cazz é formado em Comunicação, também ator e roteirista pela NYFA (New York Film Academy). Além de estudante de Psicanálise. Autor do livro A Tempestade Depois do Arco-íris.