A pandemia da COVID-19 revelou vários pandemônios. Mas o que podemos aprender com ela?

De fato, foi necessário que apenas uma atitude de apenas uma pessoa, uma simples escolha, para que o Planeta entrasse nesse drama coletivo. E que pode nos trazer, sim, uma grande lição individual. Um aprendizado para a vida.

Certamente,a COVID-19 surge exatamente como uma pequena mentira pode reverberar muito além do seu arredor e contaminar o mundo.

Assim, vai passando de pessoa para pessoa até uma pandemia de hipocrisias, ódios, quiça, uma guerra. Uma mínima atitude que poderia ser evitada.

Então, o arrependimento bate à sua porta, criando um caos no seu destino.

Pode, também, ser um amor que você abandonou ou um sim no altar que você não tinha certeza. Nesse momento, você para e pensa no quanto tudo poderia ter acontecido de outra maneira.

Um mísero segundo, onde você fala o que não devia, faz um gesto que atrapalha tudo ou esconde uma verdade, o que lhe trará consequências para sempre.

Quiça, um simples sim para uma atitude criminosa ou para alguém que lhe oferece drogas. Ou, por exemplo, uma autorização para a perversidade, para o egoísmo ou a falsidade. Sins que nunca mais terão volta.

Quem sabe, um inconsequente não para o preservativo, para uma regra, uma lei ou para o respeito aos seus pais.

Um não a uma segunda chance ou para uma abrupta oportunidade. Para a generosidade e a compreensão. Um retumbante jamais para o perdão. E para vida. Nãos que jamais terão vacinas.

Do mesmo modo, um silêncio para uma injustiça, para a opressão e o abuso. Tanto quanto para a ação dos maus ou para os erros de quem você ama. Silêncios contagiados de omissão.

Então, você toma o que não é seu, bebe mais do que devia ou acelera o carro direto para o fundo do poço de problemas que ecoam afirmando que sua vida nunca mais será a mesma.

Aquele pequeno passo em falso, bem como uma ignorância intencional ou uma negligência boba e você carregará um fardo que não precisava ser seu, para sempre.

Claro que nem sempre as decisões pensadas também serão acertadas e vice-versa.

Veja bem, ninguém está dizendo que é proibido errar ou possível viver sem equívocos.

Porém existem aquelas decisões e atitudes que antecipamos as consequências negativas e, mesmo assim, seguimos em frente. Evite-as. Poupe-se de contaminar de ambição e soberba a sua integridade.

Com certeza, já existem tantas adversidades que não podemos impedir, que, pelo menos, a gente se esforce para cancelar aquelas que temos o controle.

Porque, uma coisa é inquestionável:

Mesmo fazendo a coisa certa você terá problemas, imagina a errada.

Insistir no que pode causar transtornos é uma derrota para nós mesmos, mais do que isso, é uma autossabotagem de quem está buscando o pior para si e o rancor dos outros.

Portanto, antes de agir, ame-se.

Consulte não só o coração para saber se sua alma esta de acordo, como também a sua moral e seus valores para nunca se sentir corrompido.

Além disso, não traia sua intuição, nem sua consciência. Seja consequente e pense a longo prazo. Um prazer imediato não pode ser mais importante que um contratempo que pode perdurar para o resto da vida.

Mais do que evitar de prejudicar muita gente, trará um enorme benefício para sua própria estima, para o seu próprio caminho, arrecadando paz, energia positiva, muitas conquistas e alegrias.

Claro que os erros do passado já não podem ser mudados, mas tudo que você faz hoje lhe tratá uma resposta no futuro.

Tenha certeza que as suas escolhas continuam contaminando o seu destino, por mínimas que sejam, e esta é a ordem da vida, não há antídoto para o plantar aqui e colher logo ali.

Por isso, afaste os morcegos do seu prato antes que eles se transformem nos vampiros que sugam seu sangue a vida toda, causando uma pandemia de problemas e frustrações no seu mundo particular.

Vacine-se contra irresponsabilidade e a indolência para espalhar altruísmo e correção pelo mundo todo.

Escolha o que lhe traz paz, mas uma paz que satisfaz de verdade.

Calar pode ser melhor do que discutir, um não sincero melhor do que um sim sem vontade. Baixar as armas da agressividade e bater os cotovelos, pode ser uma nova forma positiva de construir a vida e evitar de contagiar o mundo de rancor.

Afinal é como diz a célebre frase:

“Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim”

Que o fim da pandemia seja nosso novo começo e que ele seja lindo!

COMENTÁRIOS




Luciano Cazz
Luciano Cazz é formado em Comunicação, também ator e roteirista pela NYFA (New York Film Academy). Além de estudante de Psicanálise. Autor do livro A Tempestade Depois do Arco-íris.