Aproveite o confinamento para perceber quem realmente faz falta na sua vida.

Se a ausência de certas pessoas lhe fizer bem, continue longe delas, mesmo quando a esse momento passar.

E a gente fica aqui tentando tecer uma opinião, mas o medo nubla tudo. Medo de ficar sem dinheiro. Medo da morte.

Por enquanto, estamos em isolamento, a não ser os serviços essenciais. Vamos, por ora, tentar nos acalmar e tirar um proveito desse confinamento forçado.

Certamente, nada é por acaso.

Tudo pode ensinar e servir como reflexão, ajudando-nos a tomar novos rumos na vida lá fora e aqui dentro de nós.

Aproveitemos esse momento, em que ficamos em casa, para pensar e repensar, para tentar sair disso tudo melhores como pessoas, mais humanos e seguros.

Temos, por exemplo, uma ótima oportunidade de nos reencontrarmos com as pessoas que dividem o nosso teto.

Sim, reencontrar, porque a correria louca do cotidiano nos distancia de lugares, de sentimentos e de pessoas, principalmente daquelas que deveríamos manter bem junto de nosso coração.

Conversem bastante, relembrem o passado, façam coisas juntos, na cozinha, na sala, no quintal. Reúnam-se, olhando-se nos olhos.

Da mesma forma, é momento de reencontrarmos a nós mesmos. É momento de autoanálise. Aproveite o confinamento para refletir sobre os rumos que você está dando para a sua vida.

Analise se o que você vinha priorizando era o que realmente importa. Ponha as suas emoções em ordem. Aproxime-se de seus queridos que dividem os cômodos e o alimento em seu lar.

Aproxime-se de si mesmo, aproxime-se de seu coração.

E, sobretudo, aproveite o confinamento para perceber quem realmente faz falta em sua vida.

Além disso, se a ausência de certas pessoas lhe fizer bem, continue longe delas, mesmo quando a pandemia acabar. Só volte aos lugares e para as pessoas que fizeram falta. Não volte aos mesmos erros.

Siga mais forte, mais feliz, mais gente de verdade. Assim seja.

 

COMENTÁRIOS




Marcel Camargo
Um dos escritores mais lidos da internet é graduado em Letras e Mestre em "História, Filosofia e Educação" pela Unicamp/SP, atua como Supervisor de Ensino e como Professor Universitário e de Educação Básica. É apaixonado por leituras, filmes, músicas, chocolate e pela família.