Você não precisa da aprovação dos outros para ser feliz. Ninguém melhor do que você mesmo para saber o que lhe faz bem, o que preenche seus vazios e lhe dá plenitude. Você não precisa do consentimento de ninguém para mudar de emprego, de cidade e até de amor. Essa autorização vem do seu coração.

Seus sonhos também não precisam do consentimento dos outros. Se quer viajar para a praia, viaje. Quer acampar no mato, acampe. Se quiser entrar para aula de canto, aprender um instrumento, participar de um reality show, fazer vestibular, dançar sapateado, aprender uma nova língua, vá se inscrever, e pronto. Independente de qual seja o seu desejo, não deixe que zombem dele. Se existe uma força interna que lhe move em busca dessa mais tresloucada ideia, não permita que ninguém a enfraqueça. Não importa o quão longe esteja, quanto tempo demore. Por mais que pareça impossível acredite sempre, pois sonhar é a maneira que Deus coloca sentido em nossas vidas. Também, não aceite que lhe imponham rótulos.

A única pessoa que pode defini-lo é você mesmo. Só você sabe o que carrega dentro do peito, suas aspirações e sentidos.

Se o chamam de doido e sem noção, sorria a alegria de ter a ousadia de ser feliz em um mundo repleto de infelicidades. Em vez de acreditar quando falam que não é capaz, que nunca vai dar certo ou que a vida tem um roteiro pré-definido, crie seu próprio caminho. No final das contas, é você que escolhe viver.

Você que se define, pois, são os sentimentos que carrega na alma que moldam o seu caráter e não o que as más-línguas dizem a seu respeito.

Por isso, jamais permita que as pessoas transformem sua persistência em teimosia, sua coragem em insanidade. Apenas os fracos traduzem personalidade forte por arrogância. Somente os medrosos acreditam que covardia é bom senso. Que ousadia é irresponsabilidade. Que sonhar é para quem vive no mundo da lua. Estes são os mesmos que acham que ser o que todo mundo é, ter a vida que todo mundo tem é o que significa ser feliz. Mas estão enganados e você sabe disso.

Somos seres únicos, com vontades particulares, desejos privados e boletos próprios.

Ninguém paga as suas contas, por isso, não dê satisfação para quem vive de aprovar e ser aprovado pelos outros. Faço pouco-caso para sobrancelhas franzidas, para muxoxos opressivos e olhares de desaprovação, pois é a maneira que as pessoas encontram para disfarçar seu próprio medo de encarar a si mesmas.

Deixe para trás aqueles que só criticam para se juntar aos desbravadores de sonhos, aos mergulhadores de vida, aos paraquedistas do amor. Não faça mais parte do grupo que prefere se acovardar do que correr o risco de ser feliz. Entenda que o erro é instrumento para você chegar aonde deseja, é escola da vida, lição de felicidade. Então, tente, invente, lute por suas realizações.

A opção mais certeira da vida é escolha vencer a depressão que o atira na cama para ser o espírito livre que se joga na vida.

As pessoas poderão até chamá-lo de teimoso, irresponsável, mas nunca dirão que você fui infeliz. E, no final de contas, isso que interessa no fim da vida.

Você também não depende de ninguém para sorrir. Não precisa esperar que alguém o salve. Seu destino não pertence aos outros e sua vida não pode ser confiada a qualquer um. Até porque tudo que você precisa para ser feliz já está dentro de você.

Se discorda, esse é o seu problema. O que lhe falta não é força, é fé em si mesmo. Acredite:

Você sempre será o seu maior aliado no triunfo do seu destino. Tome as rédias da sua vida, agora!

COMENTÁRIOS




Luciano Cazz
Luciano Cazz é formado em Comunicação, também ator e roteirista pela NYFA (New York Film Academy). Além de estudante de Psicanálise. Autor do livro A Tempestade Depois do Arco-íris.