Muita gente acredita que ter amor-próprio é amar a si mesmo e a mais ninguém. Outros acreditam que ter a autoestima elevada significa se preocupar só consigo mesmo e não ligar mais para os outros.

Mas colocar a sua integridade em primeiro lugar, não significa esquecer do resto das pessoas.

Mais do que isso, amar a si mesmo é zelar pelo próprio bem sem, necessariamente, deixar de olhar para o outro.

Deste modo, o possuidor de amor-próprio é aquele que não se corrompe para agradar as pessoas ou chegar a onde quer. Em contrapartida, quem não se lixa para o outro, na verdade, é egoísta.

Gostar de si mesmo implica se cuidar com amor.

É importante proteger seu corpo estimulando hábitos saudáveis e evitando excessos, pois ele é o nosso veículo de vida. Alimentação saudável, exercícios, postura e, não menos importante, manter-se belo, do jeito que a gente pode e para a gente mesmo. Porque através do nosso conjunto físico também somos felizes.

Aliás, sua constituição física diz muito sobre o seu amor-próprio, inclusive seu corpo pode ser o primeiro a sentir as consequências de uma personalidade autodestrutiva.

Por outro lado, existe também um cuidado emocional.

É preciso evitar situações desgastantes, as quais nos estressam e entristecem. Além disso, devemos deixar ir culpas inúteis e sentimentos de inadequação pois são os rivais diretos da autoestima saudável.

Desta forma, evite relacionamentos e situações tóxicas. Que se ama, não se deixa ser maltratado nem humilhado. Que se ama, apenas se sente bem em meio a carinho e afetos, com as pessoas e lugares que a fazem sorrir.

Outro ponto importante do amor-próprio é acreditar em si mesmo.

Isso não o impede de compreender defeitos nem de falar sobre eles. Porém, o importante é nunca deixar de acreditar tanto nas suas capacidades quanto na qualidade do ser humano que você é.

Por conseguinte, não seja tão duro consigo mesmo. Perdoe-se por tudo aquilo que não dá mais para refazer. Guarde a lição e siga em paz. Além do mais, não precisa se exigir tanto pois a natureza humana é imperfeita.

Erros, perdas, fatalidades acontecem o tempo todo. Entretanto, não permita que abalem a sua autoestima.

Você é capaz de se amar apesar de todos os erros que já cometeu e de tudo que não conseguiu. Mesmo com as tantas derrotas que já teve na vida. Seu valor é dentro e não fora de você.

Portanto, nunca se esqueça que amor-próprio é a sua capacidade de gostar de si mesmo de forma geral.

De se cuidar sempre, com tudo. E se proteger em vez de se autossabotar.

Obviamente, não tem nada a ver com virar as costas para os outros e não ser capaz de compreender os problemas alheios.

Pelo contrário, pessoas que se amam, têm um alto poder de empatia. Eles compreendem que ver as pessoas bem, significa estar bem também. Uma autoestima saudável não existe sem altruísmo.

Quem se sente prejudicado ao fazer pelo outro sem esperar nada em troca, tem sérios problemas de aceitação consigo mesmo.

Porque a bondade é, e sempre será, efeito colateral de uma personalidade firme e repleta de amor-próprio.

Ser generoso de verdade, sem interesses ou submissões, é a maior evidência de que uma pessoa tem uma autoestima bem elevada.

COMENTÁRIOS




Luciano Cazz
Luciano Cazz é formado em Comunicação, também ator e roteirista pela NYFA (New York Film Academy). Além de estudante de Psicanálise. Autor do livro A Tempestade Depois do Arco-íris.